Gustavo Perina

9 de fevereiro de 2021

Compartilhar

O e-commerce para pequenos negócios

11 min de leitura

A pandemia ocasionada pela COVID-19 desencadeou uma crise que atingiu diversos setores da sociedade. A economia não passou ilesa e, dentro do quadro pandêmico, além do aumento do custo de vida, também irrompeu em um grande índice de desempregos.

Apesar das dificuldades evidentes que o contexto revela, muitos brasileiros enxergaram uma oportunidade de começar seu próprio negócio. Em 2020, o Brasil registrou um crescimento na abertura de micro e pequenas empresas, foram mais de 1 milhão de novas empresas abertas.

Somente no setor de MEI (microempreendedor individual) foi registrado um crescimento de 14,8%, de acordo com o Portal do Empreendedor. Além disso, dados apresentados pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) mostram que 2020 foi o ano com maior registro de abertura de novos MEIs em toda a história da categoria.

A atividade empreendedora, especialmente no setor de e-commerce, foi a maneira que o brasileiro encontrou de se reinventar e garantir uma fonte de renda em meio à crise. Essa tendência permanece forte em 2021, ano em que a expectativa de vendas no e-commerce deve superar o ano que passou. Segundo a consultoria Ebit|Nielsen - especializada em mensuração e análise do comércio eletrônico no país –, que realizou uma pesquisa no quarto trimestre de 2020, as vendas online devem crescer 26% e atingir o faturamento de R$110 bilhões.

Modelos de e-commerce

Para quem deseja empreender no mercado de e-commerce, existem diversas alternativas para vender produtos e serviços na internet. Confira, a seguir, os principais modelos de e-commerce e como cada um deles funciona:

Loja virtual

A loja virtual é um empreendimento alocado em um servidor da internet. Trata-se de um website próprio, onde é possível realizar a compra e venda de produtos e serviços de maneira virtual. Ela é um dos principais canais de venda no mercado de e-commerce, pois permite a criação de um ambiente personalizado, com a identidade da sua marca e com recursos que ajudam a criar um ambiente seguro e amigável para atrair o consumidor.

O Brasil já soma mais de 1 milhão de lojas virtuais, apresentando um crescimento de mais de 40% no ano passado.

 Marketplace

O marketplace é outro modelo de e-commerce onde os lojistas vendem seus produtos em um site que faz o intermédio da negociação. São plataformas, como Mercado Livre, Amazon e Magazine Luíza, por exemplo, que oferecem recursos e espaço para a comercialização de diversas marcas e produtos em troca de uma comissão sobre as vendas.

Um exemplo forte deste modelo é o Mercado Livre, maior marketplace da América Latina, que registrou um crescimento de 62,1% no volume de vendas em 2020. Isso significa que há muitas pessoas vendendo ou revendendo produtos através da plataforma que, por sua relevância, transmite aos consumidores uma imagem de segurança e credibilidade nas transações realizadas nessa plataforma de e-commerce.

 Redes Sociais

Além dos modelos mais tradicionais de e-commerce, também é possível vender produtos através das redes sociais. Elas podem ser um bom lugar para começar, especialmente com os recursos do Facebook e Instagram Shopping, ou até mesmo através do WhatsApp.

Primeiros passos para montar um e-commerce para pequenos negócios

1. Montar um plano de negócios

A elaboração de um plano estratégico de e-commerce aumenta as chances de sucesso do seu empreendimento. Ele é uma etapa fundamental do planejamento do seu negócio e deve ser sucinto, claro e objetivo para esclarecer questões que se referem ao mercado, setor e à própria empresa.

O plano de negócios serve para delinear as ações a serem realizadas de modo estratégico, com o objetivo de atingir os melhores resultados possíveis. Por isso, um plano de negócios claro e eficaz deve conter os seguintes elementos:

  • Descrição do projeto de e-commerce;
  • Explanação clara dos objetivos;
  • Análise de mercado;
  • Análise da concorrência;
  • Estratégia de divulgação;
  • Estratégia de preço;
  • Estratégia de vendas;
  • Estratégia de logística;
  • Estratégia pós-venda;
  • Aspectos técnicos;
  • Critérios de avaliação definidos para a operação do e-commerce;
  • Orçamento;
  • Análises financeiras necessárias.

Além disso, para que o planejamento seja efetivo, é importante prestar atenção constantemente na dinâmica do mercado, como as previsões e o crescimento estimado.

2. Escolher uma plataforma

A plataforma de e-commerce é essencial para o seu negócio. Trata-se do sistema responsável pela criação da sua loja virtual, onde tudo acontece. A plataforma é o ambiente onde seu negócio será gerenciado, possibilitando a administração dos produtos, estoque, promoções, mudança de preços, etc. Desta forma, é importante fazer uma boa escolha, que atenda às necessidades do seu e-commerce.

Esta decisão deve ser pautada na análise do seu negócio e no seu planejamento financeiro. Além da diversidade de opções de plataformas, existe ainda uma grande variedade de opções entre planos e assinaturas, que vão desde alternativas gratuitas até planos com número de acessos e produtos ilimitados, cada um atendendo uma demanda específica dentro do mercado.

A sua escolha deve levar em consideração as funcionalidades, o tamanho do seu e-commerce (variedade de produtos, alcance, público, número de acessos) e também o aporte financeiro que você tem para investir no seu negócio. Opte por um tipo de plataforma que melhor atenda o seu modelo de negócio e que esteja de acordo com o seu investimento.

Uma loja online possui necessidades específicas que dependem de fatores pontuais relativos ao seu negócio. Por isso, na hora de escolher uma plataforma de e-commerce é importante observar cada ponto e saber exatamente o que você precisa. Preste atenção nos recursos e integrações essenciais, como logística, formas de pagamento e visibilidade nos buscadores.

Desta forma, você tem muito mais chances de realizar uma escolha que ofereça todas as ferramentas e recursos necessários para fazer sua loja online decolar, garantindo a segurança e a estabilidade do seu negócio.

3. Divulgar seu e-commerce

A integração com redes sociais é essencial para o sucesso do seu e-commerce. É preciso investir na divulgação do seu negócio e o melhor caminho é a união entre produção de conteúdo nas mídias sociais e o uso de palavras-chave nos buscadores para atrair clientes.

A plataforma que você selecionar para o seu negócio deve ser amigável e conversar bem com os mecanismos de busca, em especial, o Google, já que mais de 70% das buscas na internet são feitas no Google Search. Para que isso seja possível, sua plataforma deve ser bem codificada e atender os requisitos de SEO (search engine optimization), dessa maneira, sua loja terá condições e possibilidade de aparecer melhor ranqueada nas buscas.

Uma plataforma com recursos SEO melhora a conversão da sua loja virtual. Assim como funcionalidades que proporcionam uma URL amigável e otimizada e uma meta description com palavras-chave que alavancam seu site no ranqueamento dos buscadores são as melhores amigas do seu negócio.

4. Investir em um bom atendimento e oferecer suporte ao cliente

É importante oferecer o melhor atendimento e suporte ao seu consumidor. Para isso, invista em chat online, atendimento via WhatsApp, e-mail e todos os recursos possíveis. Isso é primordial para garantir a satisfação do cliente e fidelizá-lo para as próximas compras.

Dicas de sucesso no e-commerce para pequenos negócios

Dados os primeiros passos, é preciso avançar no caminho do e-commerce. Para isso, separamos algumas dicas com questões pontuais que devem ser observadas para favorecer o crescimento e o sucesso do seu negócio.

Defina sua persona

A persona é o seu cliente fictício ideal. É aquela pessoa que seria o cliente perfeito para você dentro do seu nicho, ou seja, alguém que consome o seu conteúdo e se beneficia muito dele. A identificação da persona é importante para que você possa construir uma comunicação alinhada com esse tipo de pessoa que quer atrair.

Sabendo quem é a sua persona, você poderá alinhar a sua comunicação, tom de voz e principalmente o seu conteúdo. Dessa forma, seu e-commerce se comunicará de maneira muito mais assertiva, com uma linguagem que a sua persona entende e com a qual ela se identifica. Além disso, fica mais fácil procurar públicos a partir de tráfego pago deste modo.

Promova seu negócio nas redes sociais

O brasileiro lidera os rankings de acesso a redes sociais, por isso, é imprescindível marcar presença neste espaço. Seu e-commerce deve se posicionar nas redes sociais e hoje existem muitos recursos para a promoção de anúncios e conteúdos patrocinados, que colocam sua marca em contato com públicos que se identificam e têm afinidade com ela.

Em relação à mídia tradicional, os anúncios pagos nas redes sociais possuem um excelente custo-benefício. Através do gerenciador de anúncios do Facebook é possível criar anúncios personalizados e segmentados de acordo com o objetivo da sua campanha. Isso torna o investimento em publicidade muito mais certeiro.

Além disso, seu e-commerce pode atrair tráfego orgânico através da produção de conteúdo de valor, gerando engajamento e interação para converter seguidores em clientes através das redes sociais.

Divulgue seus conteúdos

A produção de conteúdo de valor precisa chegar ao seu público-alvo. Para isso, é importante lançar mão de ferramentas que possam ajudar nessa divulgação, como e-mails, grupos no WhatsApp ou Telegram, blogs, etc.

Outra ferramenta que pode ser útil nessa estratégia é a parceria com influenciadores digitais. Pessoas com um perfil bem engajado, que tenham uma imagem idônea na internet e que tenham identificação com o nicho do seu e-commerce podem levar muitas pessoas à sua loja virtual.

Tenha uma boa gestão do cadastro de produtos

Não subestime o cadastro de produto, esta é uma etapa fundamental para o sucesso do seu e-commerce. Um cadastro completo e com boas informações faz a diferença na hora da escolha do consumidor, especialmente aquele que ainda se sente inseguro com uma compra online ou que ainda não conhece a sua marca.

Embora seja uma tarefa corriqueira da rotina de um e-commerce, o cadastro merece atenção e investimento, pois pode potencializar as vendas.

Ofereça aos visitantes um meio de comunicação para dúvidas ou problemas

O bom e velho serviço de atendimento ao cliente pode não ter necessariamente esse nome hoje em dia, mas um bom suporte continua sendo fundamental na hora da transação comercial em e-commerce.

Por isso, não se esqueça de oferecer uma ou mais opções efetivas de comunicação para dúvidas e problemas na página da sua loja. Você pode dispor de chat online, e-mail ou contato direto via WhatsApp. Isso transmite segurança e deixa o consumidor mais confiante em relação à compra.

Fique atento à entrega dos pedidos e nunca prometa prazos que não pode cumprir

A logística do seu e-commerce também deve ser planejada e revisada ao longo do tempo, para evitar prejuízos e descontentamento por parte do cliente. Não prometa prazos que não pode cumprir, especialmente se a sua entrega for terceirizada por empresas como os Correios, o que adiciona uma certa margem de imprevisibilidade ao processo, em função de greves e possíveis contratempos.

É preferível trabalhar com a previsão de alguns dias extras para a entrega, como margem de segurança, do que atrasar o pedido feito pelo consumidor.

Trabalhe bem a descrição, fotos e vídeos dos seus produtos

Uma boa descrição de produto começa por um bom título. Para isso, observe sempre as boas práticas de SEO para e-commerce, para favorecer a otimização do produto nas pesquisas dos buscadores. Além disso, seguir uma ordem padrão de informações, como Produto + Marca + Modelo + Tamanho + Cor, faz com que o consumidor consiga identificar este padrão mais facilmente ao longo do tempo, facilitando a compreensão.

Muitas pessoas desistem de comprar um produto por falta de informações a respeito dele. Por isso, não economize esforços na hora de descrever o produto, fornecendo a maior riqueza de detalhes possível e não omitindo nenhuma informação essencial, como: marca, tamanho, composição, voltagem, funções etc.

Já as imagens e vídeos são um grande diferencial da loja online, pois é através delas que o cliente terá a possibilidade de ver os detalhes do produto que ele não pode tocar. Por isso, não se limite a apenas uma imagem, mas ofereça imagens de vários ângulos e detalhes, sempre com a maior qualidade e resolução possíveis.

Ofereça meios de pagamento seguros e transparentes

No caso dos pagamentos, um checkout simples e seguro é tudo o que o cliente deseja. Para isso, use as integrações com plataformas de pagamento conhecidas e forneça garantia aos seus clientes.

Últimas postagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *