Gustavo Perina

7 de janeiro de 2021

Compartilhar

O que é e-commerce? Saiba tudo sobre como criar sua loja online em 2021

7 min de leitura

Os brasileiros têm tendência a abrirem o próprio negócio. Prova disso são as quase 20 milhões de empresas espalhadas pelo Brasil, entre as quais o setor varejista é líder absoluto. Nesse contexto, investir na internet tem sido uma opção escolhida por muitos, seja em decorrência da transformação digital ou de um novo comportamento do mercado a partir da pandemia de coronavírus. Em consequência disso, uma dúvida cada vez mais comum entre os empreendedores é sobre o que é um e-commerce e se realmente vale investir na área.

Quando os questionamentos são sobre as possibilidades desse mercado, é possível afirmar que se trata de um dos mais promissores atualmente. Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o faturamento do setor teve um aumento de 56,2% em 2020, bem como uma alta de 65,7% no número de pedidos quando relacionado ao ano anterior.

Mas afinal, do que se trata um e-commerce e como fazer para ter um empreendimento com ótimos resultados? Acompanhe o nosso artigo, pois é justamente sobre isso que vamos falar!

O que é um e-commerce e para que serve?

A palavra e-commerce é uma abreviação do termo “electronic commerce”, ou "comércio eletrônico", a qual se refere às empresas que estruturam seus processos de compra e venda com o auxílio da internet. 

Os diferentes tipos de e-commerces têm em comum a digitalização de dois processos básicos, que são a venda e o atendimento aos clientes. Junto a essas áreas que são os pilares do setor, estão marketing, gestão de estoques, finanças, RH e outras, as quais também são automatizadas. Desse modo, todas as transações entre essas áreas e os seus clientes é feita de forma online, sendo a logística a única atividade física.

Quais os tipos de e-commerce?

Quando se fala no conceito de e-commerce, muitos ainda confundem com o significado de loja virtual. Entretanto, esse é apenas um dos formatos a se investir, já que hoje os clientes possuem uma característica omnichannel. Isso significa que esperam ter acesso às marcas em diferentes canais, o que traz comodidade e agilidade nos processos de compra. 

Veja quais os modelos possíveis de se investir no e-commerce:

Loja virtual

Uma loja virtual nada mais é do que um sistema próprio, onde o empreendedor escolhe uma plataforma, desenvolve o site, expõe seus produtos, escolhe os meios de pagamento, realiza as entregas e realiza as estratégias de Marketing e vendas mais adequadas. 

Portanto, é um tipo que a princípio requer mais recursos, ao mesmo tempo em que se torna obrigatório para o crescimento do negócio.

Marketplace

Os marketplaces podem ser comparados aos shoppings da internet. Diferente de uma loja virtual, em que se tem um site próprio para expor os produtos, marketplace consiste em plataformas de terceiros que expõem os produtos de diferentes empresas. Alguns exemplos são a Amazon, a Dafiti, a Magazine Luiza e o Mercado Livre. 

Nesses ambientes, os lojistas fazem o cadastro de seus produtos e o próprio marketplace faz a intermediação do pagamento, em troca da cobrança de taxas. Além disso, algumas plataformas oferecem a operação logística aos empreendedores.

Por se tratar de um ambiente já existente, os custos são menores, pois não é preciso, por exemplo, comprar domínio e hospedagem do site, desenvolver layouts, executar a estratégia de marketing e outras ações necessárias que uma loja virtual precisa. Além disso, por serem marcas já conhecidas na internet, se torna mais fácil alcançar os primeiros clientes. 

Instagram Shopping 

O Instagram Shopping é um recurso do Instagram, rede social com 1 bilhão de usuários ativos por mês, que permite às empresas criarem sua própria loja dentro da rede social. Por meio dele, é possível fazer o cadastro de mercadorias, direcionar usuários para a compra do produto e criar marcações em stories e fotos e vídeos no IGTV do feed. 

A ferramenta permite a inserção de links dos itens em fotos publicadas no feed. Ou seja, ao invés de criar tags para marcar usuários, a funcionalidade é similar às etiquetas de preços. Ao clicar em cada produto mostrado nas imagens, o usuário tem acesso ao seu nome e valor. Caso tenha interesse na compra, é redirecionado diretamente ao checkout.

Ao investirem no Instagram Shopping, as empresas têm o diferencial de não apenas se relacionarem com seu público na rede social, mas terem uma loja da marca dentro do perfil, o que é capaz de elevar significativamente a conversão. 

Redes sociais

Além do Instagram, estar presente em outras redes sociais como o Facebook, YouTube e Pinterest, faz toda a diferença nos resultados.  Tão importante quanto criar engajamento com os potenciais clientes, essas redes sociais são responsáveis também por levarem seus seguidores às compras

Para se ter ideia, segundo o estudo da NuvemCommerce, realizado em 2018, as vendas do setor por meio desses canais representaram 21% do total. 

Vantagens e desvantagens de um e-commerce

Agora que você já sabe o que é e-commerce e quais são as formas de investir, pode estar se perguntando quais os pontos positivos e negativos de empreender em e-commerce. As vantagens certamente são muitas. Entre as principais estão:

● maior alcance de clientes;

● custos menores em relação à uma loja física;

● experiências de compras positivas para um novo perfil de consumidores;

● possibilidade de funcionar 24x7x365;

● facilidade em criar anúncios;

 ● resultados mensuráveis por meio de diversas ferramentas. 

Assim como em qualquer outra área, a de e-commerce também possui desafios a serem superados. Os principais, nesse caso, são estruturar adequadamente a logística, estabelecer um bom relacionamento com o público e realizar estratégias de SEO que façam a loja estar nas primeiras posições no Google durante as pesquisas do público-alvo.

Por esses e outros motivos, é possível afirmar que se trata de um mercado bastante promissor, mas que requer um bom planejamento e estruturação adequados para o sucesso.

Principais passos para abrir uma loja virtual

Depois de ler até aqui, é possível que você esteja interessado em vender pela internet em 2021, por isso precisa saber como dar início ao projeto. Acertamos? Então confira os passos indispensáveis para colocar o plano em prática:

Criar categorias de produtos: 

As categorias de produtos, que segmentam os itens por áreas, servem para deixar uma loja online mais organizada. Por isso, essa é a primeira ação a ser feita por quem quer criar uma loja virtual;

 Cadastrar os produtos: 

Tão importante quanto categorizar organizadamente os produtos, é fazer um cadastro completo dos mesmos nas plataformas ou ferramentas escolhidas para vender online;

Estabelecer a logística:

Como citamos, uma das áreas mais importantes de um e-commerce é a logística. Portanto, é preciso estruturar as compras, o estoque, o armazenamento e a entrega de produtos com o melhor custo-benefício;

Definir as formas de pagamento:

Assim como o frete e o prazo de entrega são diferenciais importantes para uma loja virtual, oferecer variadas formas de pagamento pode destacar um e-commerce da concorrência. Nesse sentido, é importante analisar as possibilidades do mercado relacionadas ao orçamento da empresa, oferecendo o que for possível para manter as finanças em dia e satisfazer os clientes.

Para quem vai criar uma loja online, escolher uma boa plataforma é um dos requisitos fundamentais. Afinal, é por meio desse sistema que todas as transações e a gestão serão realizadas. Desse modo, toda a atenção é necessária no momento de tomar a decisão.

Esperamos que tenha gostado do nosso conteúdo. Quer saber mais sobre esse e outros assuntos relacionados? Então acompanhe as redes sociais da Webstore!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *