Gustavo Perina

5 de dezembro de 2020

Compartilhar

O risco de se depender apenas de marketplaces

5 min de leitura

Os marketplaces vieram para ficar no mercado do comércio digital. Eles estabeleceram sua presença com efetividade e definiram formas de praticamente qualquer loja vender por meio deles.

Com este modelo, tanto lojistas entrantes quanto aqueles que já estão estabelecidos podem utilizar do tráfego e popularidade dos marketplaces para aumentar suas vendas. Entretanto, mesmo que ofereçam tantos benefícios, não é recomendado confiar apenas e simplesmente nos marketplaces; para que um lojista tenha uma operação lucrativa, bem sucedida e completa, é fundamental que haja investimento e trabalho em seu próprio e-commerce e te explicaremos detalhadamente o porquê.

As vantagens dos Marketplaces

Trabalhar com marketplaces se mostra um modelo muito vantajoso para os lojistas, na medida em que permite uma presença praticamente instantânea de seus produtos em sites com um alto tráfego de pessoas, propiciando vendas rápidas e sem muitas dores de cabeça. Algo ideal para ajudar aumentar as vendas e manter o caixa rodando tanto no caso de grandes empresas, quanto no caso daquelas que estão nascendo agora - e é justamente para essas que o marketplace é ainda mais vantajoso.

Além disso, a maior parte dos marketplaces possui um modelo de administração facilitada (que pode ser feita por meio de dashboards interativos) e também tem integrações descomplicadas com as principais plataformas de e-commerce, ajudando muito o lojista na hora de integrar seu catálogo.

As desvantagens dos Marketplaces

“Tudo tem um lado bom e um lado ruim”, esse dito popular também se aplica para o ato de comercializar nos marketplaces. Mesmo que vender nestes sites traga novas oportunidades e resultados quase instantâneos para seu comércio, ainda sim, existem problemas que podem proporcionar algumas dores de cabeça e preocupações aos lojistas.

Um dos maiores empecilhos dentro dos marketplaces é ter que lidar diretamente com os concorrentes, já que, sendo um portal de vendas muito grande e com muitos players, você terá que concorrer diretamente com marcas consolidadas no mercado e que muitas vezes possuem bastante visibilidade, dificultando a apresentação da sua. 

Isso se relaciona com o segundo problema dos marketplaces, que é a perda de força da marca: isso acontece principalmente por que seu produto não estará tão relacionado com sua empresa na visão do comprador, e sim com o site, fazendo com que o cliente preste mais atenção no preço e no prazo/valor de entrega na hora de fechar a compra do que no nome da sua empresa.

Outro ponto importante de ressaltar é que os marketplaces podem criar uma relação de dependência entre o lojista e o site, visto que, normalmente os marketplaces ditam as regras de forma unilateral, impondo suas regras, diretrizes e valores (taxas percentuais, juros, multas). Tudo isso afeta bastante o modelo de negócio de um comércio e faz com que a empresa se feche aos moldes dos marketplaces, perdendo autonomia para colocar seu próprio modelo de negócio.

Mulher trabalhando com vendas em marketplaces sentada no chão rodeada de caixas de papelão

Quais são as vantagens de ter um E-commerce Próprio?

A principal vantagem de ter um e-commerce próprio é simplesmente o contrário da última desvantagem de usar os marketplaces: ter autonomia sobre o seu negócio. Isso significa que o varejista poderá escolher sua própria forma de lidar com os clientes, promover sua marca e seus produtos da sua maneira e terá liberdade para definir suas promoções da melhor forma que considerar possível.

Ter sua própria loja virtual permite um verdadeiro crescimento da marca, se mostrando bastante rentável (muitas vezes mais do que nos marketplaces, devido às altas taxas) a longo prazo e fidelizando o público para que eles voltem a comprar mais vezes, algo praticamente impossível nos marketplaces. Outra grande vantagem é poder exercer funcionalidades e customizações próprias de sua marca e de seu produto, como produtos customizados, compras conjuntas (como kit look) e vendas automáticas de produtos recorrentes, como clubes de assinatura, por exemplo.

Cada um destes aspectos alavancará a imagem da sua marca e destacará sua empresa frente aos outros players, propiciando não só um ganho monetário mas também a consolidação de um e-commerce único e extraordinário.

Por que o E-commerce Próprio e os Marketplaces devem andar juntos?

Como você pode ver por meio deste texto, tanto o marketplace quanto o e-commerce têm suas vantagens e desvantagens e o nosso objetivo não é definir qual é melhor e qual é pior, mas sim, deixar claro que um complementa o outro e que ambos devem andar juntos para que seu negócio tenha sucesso.

Portanto, a melhor coisa a se fazer para ter sucesso e rentabilidade, é ter seu e-commerce como sua principal forma de comunicação e venda com seu público e os marketplaces como canais secundários de venda. Isso implica uma forma de receber uma renda imediata por meio dos marketplaces (e um fluxo de caixa constante) e um período mais longo para que seu e-commerce se consolide a longo prazo. 

Quando for adotar essa estratégia, não se esqueça de estruturá-la bem, calcular as taxas, a viabilidade financeira e estudar os custos da integração de cada marketplace - vale lembrar que cada um tem suas próprias políticas e isso pode afetar de formas diferentes seu negócio. - Além disso, é interessante ter uma plataforma de e-commerce com fácil integração entre sua loja e os marketplaces, isso facilita tremendamente o trabalho diário, na medida em que os produtos, estoque e preços são todos sincronizados.

Se você ainda não tem uma plataforma para o seu site próprio, conheça a Webstore, temos integração com os principais marketplaces e diversas funcionalidades e recursos!

Últimas postagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *